Dica - Momento 1: RECORDANDO DO EU-CRIANÇA...

Já imaginou se tivéssemos a oportunidade de escrever uma carta de gratidão e enviá-la à nossa versão criança? Se isso fosse possível, o que você escreveria para o seu Eu-Criança? Como acolheria a criança que está aí dentro de você?

Vamos tirar alguns minutos para lembrar e refletir sobre o que nos motiva e lembrar de quem éramos quando tínhamos a idade dos nossos alunos.

  • Você se recorda da sua infância e adolescência?
  • Quais eram as suas brincadeiras favoritas? Você brincava na rua?
  • Você consegue se lembrar de como era a sua rua?
  • Por volta dos 12 aos 18 anos, quando a adolescência chegou, onde e com quem você morava? (por falar nisso, quer relembrar de uma forma poética o local onde você morava? Clique aqui, habilite todos os pop-ups no seu navegador, coloque o endereço completo de onde você morava quando tinha 14-16 anos e veja o que acontece! Não feche nenhum pop-up, eles fazem parte da cena!)
  • Quais foram os desafios que você enfrentou?
  • De quais bandas você mais gostava ou que tipo de roupa estava na moda?
  • Você tinha acesso ao computador, celular e internet naquela época?
  • Quais eram as pessoas que te davam apoio? Pode ser um membro da família, uma pessoa da comunidade e até um lugar onde você se sentida seguro e/ou amparado...

Essas perguntas nos trazem um misto de emoções e sentimentos, às vezes uma lembrança gostosa, nostálgica, outras vezes nos fazem recordar de uma situação triste. Mas, lembre-se, hoje você faz a diferença na vida de muitas crianças e adolescentes que precisam de você e estão em fase escolar, e pode escolher como olhar para as experiências que viveu e construir coisas incríveis.

  

Que tal, pegarmos o papel e a caneta e escrever uma carta de gratidão ao seu Eu-Criança? Nela, você pode:

  • Compartilhar coisas positivas que aprendeu;
  • Contar para seu Eu-Criança como ele foi incrível e corajoso, como você agora é um adulto maravilhoso e que os momentos difíceis daquela época foram superados e hoje você é mais forte;
  • Contar para ele as memórias mais alegres que compartilharam juntos e que hoje você viaja na memória e sorri muito quando se lembra daquele dia ou daquele momento especial. 

Dica - Momento 2: QUANDO EU ERA ALUNO…

Agora que lembramos um pouco da nossa infância e escrevemos uma mensagem para o nosso Eu-Criança, o que você se lembra das escolas em que estudou? Qual foi sua série favorita? Quem era seu melhor amigo de sala? Quais foram os professores/gestores/inspetores que mais marcaram sua memória? E, relembrando mais:

  • Como eram as salas, as provas e o pátio?
  • Tinha livros para todos?
  • Quais cheiros te fazem lembrar daquela época?
  • Qual era a sua merenda favorita?
  • Qual foi a aula inesquecível que você teve? 
  • Você conheceu outros lugares através da escola?
  • Há algo que você gostaria de ter aprendido naquela época?
  • Há algo que não entendia quando era aluno (criança e adolescente) e hoje, como professor(a), você vê de outra forma e busca fazer diferente?


Nesta segunda nuvem do nosso IMAGINAR, relembramos um pouco de nós e de momentos memoráveis que vivenciamos durante nossa infância e adolescência.

Que tal compartilhar  com os demais colegas educadores  uma dessas lembranças da época de escola?

No Grupo Temático Volta às Aulas com a Aprendizagem Criativa, temos o tópico Compartilhamento do Eu-Criança e do Eu-Educador, onde você pode compartilhar uma experiência memorável, uma foto, contar qual era a sua brincadeira favorita e qual foi o passeio ou momento inesquecível que vivenciou quando era aluno. Bora lá?

Dica - Momento 3: COMO ME TORNEI EDUCADOR E O QUE ME MOTIVA?

Agora que nos reconectamos com nosso Eu-Criança e o nosso eu-aluno, vamos nos lembrar do que nos motiva a ser educadores, quais são os nossos sonhos como professores/gestores e designers de experiências educacionais.

Compartilhe um pouco sobre sua caminhada na educação. Você pode:

  • Contar algo que te traz felicidade no ambiente escolar;
  • Dividir uma história ou experiência que te inspira na educação;
  • Compartilhar uma imagem ou uma atividade que você realizou ou vivenciou e que está na sua lista de atividade favorita;
  • Falar sobre um sonho seu como educador.

Compartilhe e conheça outras histórias e sonhos inspiradores no tópico Compartilhamento do Eu-Criança e do Eu-Educador em nosso grupo temático volta às aulas com a Aprendizagem Criativa.

Ideias reflexivas para este carrossel de Imaginar e Compartilhar…

Ufa, passamos por nós quando criança, nossa fase escolar e depois começamos a recordar do nosso Eu-Educador. 

Observando esse carrossel de emoções que percorremos até aqui, o que notamos de igual ou diferente na vida das crianças e adolescentes de hoje? 

Qual é a moda, banda ou música do momento? Quais são as características das “tribos” com as quais eles se identificam? Como é a interação pessoal hoje? Que tipo de brincadeiras fazem? Quais são os lugares que frequentam? O que eles leem? Quem são seus maiores influenciadores?

Neste contexto, você já imaginou convidar seus estudantes a criarem seu mapa de influências ou um mapa da empatia? São recursos super legais que podem nos ajudar a conhecê-los melhor!

No grupo temático do volta às aulas, você encontrará o tópico Como nos conectar com a nova geração?. Nele, você pode compartilhar uma experiência, conhecer outras propostas, apresentar uma ideia ou temática que gostaria de fazer mas ainda não colocou em prática, e se inspirar com as ideias dos colegas de profissão. 

Dica: na aba Indo além, compartilhamos com você o propósito que está por trás desse processo de Imaginar: Recordar-Compartilhando.

Dica - Reconstruindo a escola: NOSSA ESCOLA DOS SONHOS

Recordamos de nós e lembramos de diferentes momentos do nosso desenvolvimento pessoal que nos trouxe até aqui.

Agora, como podemos transformar a escola para atender às demandas atuais?

Que tal começar a desenhar a nossa Escola dos Sonhos?

Nos tempos atuais é importante lembrar que:

  • ​​​​Você não está sozinho, em nossos grupos temáticos, você pode buscar apoio e compartilhar experiências. A aprendizagem é um processo de troca de experiência entre pessoas e para pessoas, por isso é interessante buscarmos diferentes tipos de parcerias;
  • Lembre-se, o distanciamento geográfico (físico) não precisa ser social. Que tipos de ações podemos realizar para conectar os membros da comunidade, mesmo sem acesso a internet?
  • O engajamento e a interação só acontecem em ambientes que favorecem a saúde emocional e social, por isso é importante pensarmos em ações contínuas para acolhimento e apoio de todos os membros da comunidade escolar;
  • É importante promover momentos livres com oportunidades de convívio social entre os estudantes, mesmo com distanciamento geográfico, para favorecer o desenvolvimento de competências como: Repertório Cultural; Comunicação; Empatia e Comunicação; 
  • Planejamentos flexíveis e com a construção colaborativa dos alunos podem trazer grandes benefícios para o processo de ensino aprendizagem, incluindo a possibilidade de currículo reduzido, porém profundo.

Pontos importantes a serem pensados para a essa escola dos sonhos:

  • ​​​Como podemos promover ações que gerem oportunidades às crianças e aos adolescentes, para que possam se desenvolver, conhecer e descobrir novos horizontes? 
  • Que tipos de ações podemos realizar para reconstruir o espaço escolar com quem faz parte dele e o vivencia todos os dias?
  • Lembre-se de levar em consideração os contexto da comunidade que a escola está inserida para projetar ações significativas;
  • Precisamos olhar para o currículo, ver o que é mais importante, o que é necessário e como podemos conectá-lo com a comunidade.

Vale a pena refletir sobre:

  • Qual ou quais são  as principais necessidades da comunidade onde nossa escola está inserida?
  • Será que é suficiente apenas replicamos a aula presencial no sistema remoto? Que tipo de ação, como gestão, é possível promover para ajudar o professor nesta demanda da melhor forma possível, sem sobrecarregá-lo? (Lembrando que muitos professores têm jornada dupla ou tripla em diferentes unidades escolares);
  • Que tipo de projeto/ação como gestão é possível criar para apoiar e formar os professores em relação ao uso de tecnologias digitais da informação e comunicação?
  • Como podemos dividir as funções para melhor atender às diferentes demandas da escola?
  • O que podemos fazer para incentivar a leitura, a pesquisa e a exploração (e expressão) criativa?
  • Quem pode nos ajudar a fazer essas transformações (pais e responsáveis, empresários e instituições ...)?
  • Como a escola e as aulas podem ser um espaço melhor de acolhimento para essa nova geração, agora que conseguimos conhecê-los um pouco mais? (Você pode se inspirar com os relatos em nossa comunidade online no grupo Volta às Aulas - tópico Como nos conectar com a nova geração?);
  • Que ações ou mudanças podemos realizar para transformar a escola e as aulas em um espaço tão interessante quanto uma rede social?