Olá pessoal!

Vamos refletir um pouco sobre os Ps da aprendizagem criativa em experiências memoráveis de aprendizagem?

No vídeo a seguir falamos um pouco sobre eles. Vale assistir (ou reassistir) para explorar um pouco mais as ideias por trás de cada um desses princípios 😊

 

 

Bom, vamos lá! 

1. Pense em uma experiência memorável de aprendizagem que você teve enquanto aprendiz. Uma experiência bem agradável na qual você aprendeu algo, seja dentro ou fora da escola (com familiares, amigos...). Pensou? Certo! Conte para a gente:

  • Qual experiência foi essa?
  • Por que ela te marcou positivamente?
  • Quais Ps você consegue identificar nela? (exemplifique, se possível)

Vamos lá? Os Ps ficam mais fáceis de compreender quando partimos de situações já vivenciadas e essa reflexão compartilhada é essencial para aprendermos mais (e melhor) juntos!

Abraços! 🤗

Tatá

5 Comentários

quando estava na 8ª série tive muitas dificuldades em aprender parábola função do segundo grau. me lembro que chorava por não aprender. ao ingressar no 1ºano colegial, tive um professor que me mostrou como era fácil aprender concavidade de uma parábola. fiquei muto feliz e nunca mais me esqueci dessa aprendizagem , mesmo tendo sofrido anteriormente. por isso me marcou de forma tão positiva.

os  Ps que observo são: pares, pensar brincando e paixão, pois meu maior sonho era aprender essa matéria

assim como eu via meus colegas fazendo com tanta facilidade.

 

Oi Regina! Obrigada por compartilhar! sua experiência memorável! Fiquei curiosa para conhecer mais detalhes :) Como seu professor tornou mais fácil você aprender sobre a concavidade de uma parábola? De que forma pares e pensar brincando estavam presentes nessa experiência, você consegue compartilhar alguns exemplos?

Olá tata. Obrigada por dar retorno sobre minha publicação.  Já tenho 57 anos de idade. Então vc imagina a quanto tempo isso tudo aconteceu. Mas nunca me esqueci. Como foi fácil aprender , depois de tanto sofrimento . Esse professor me fez acreditar que eu era capaz. E que poderia errar. Foi assim que aprendi. Errando e refazer . Pois anteriormente me ensinaram que eu tinha que saber e pronto. Saber do jeito que era ensinado. Eu descobri que havia outros caminhos para se aprender. E esse caminho estava diante de mim. Bastava eu aceitar que podia errar e tentar

Olá tata. Obrigada por dar retorno sobre minha publicação.  Já tenho 57 anos de idade. Então vc imagina a quanto tempo isso tudo aconteceu. Mas nunca me esqueci. Como foi fácil aprender , depois de tanto sofrimento . Esse professor me fez acreditar que eu era capaz. E que poderia errar. Foi assim que aprendi. Errando e refazer . Pois anteriormente me ensinaram que eu tinha que saber e pronto. Saber do jeito que era ensinado. Eu descobri que havia outros caminhos para se aprender. E esse caminho estava diante de mim. Bastava eu aceitar que podia errar e tentar de novo. Dessa vez eu tive a oportunidade de trocar experiências com pares, coisa que não aconteceu antes. Podíamos trabalhar em grupos. Eu me lembro que .me senti acolhida, não era sozinha com minha ignorância.  A menina que zerava os testes. E pensar brincando entrou nos momentos que podíamos sorrir. Mesmo quando a parábola não dava certo. Era só desmanchar e começar de novo. Eu me sentia capaz de reiniciar com a certeza que daquela vez daria certo.

Olá, como é bom reativar a memória a procura de aprendizagens significativas. Eu lembro que mudei de escola e não tive Inglês na anterior. Na nova escola, os alunos eram bem avançados, então meu pai me colocou com uma professora particular.

Não conseguia ver significado e nem aprender. Então, ela construiu um jogo de cartas. E lembro que jogávamos por horas, até que de uma forma bem natural fui identificando as palavras e montando frases. Acredito que ela me contagiou com o P da Paixão, porque brincava com as cartas, me desafiando. Era engraçado.

A dificuldade, tornou-se um projeto de

Olá, como é bom reativar a memória a procura de aprendizagens significativas. Eu lembro que mudei de escola e não tive Inglês na anterior. Na nova escola, os alunos eram bem avançados, então meu pai me colocou com uma professora particular.

Não conseguia ver significado e nem aprender. Então, ela construiu um jogo de cartas. E lembro que jogávamos por horas, até que de uma forma bem natural fui identificando as palavras e montando frases. Acredito que ela me contagiou com o P da Paixão, porque brincava com as cartas, me desafiando. Era engraçado.

A dificuldade, tornou-se um projeto de encantamento. Fazia também caça ao tesouro pela casa,  contava até três, tocava um apito, acionava um cronômetro e eu tinha um tempo para achar as palavras e colocar nos objetos corretos. Vejo os 4 P´s . Paixão: a professora realmente amava Inglês, Projeto: com o jogo de cartas contendo palavras, Pares: não havia esse distanciamento professor, alunos, nos divertíamos, Pensar brincando: ela viu minha dificuldade e fez um jogo me envolvendo. No final, até sugeria palavras e construí novas cartas com meus gostos. Enfim... consegui acompanhar a turma depois dessas aulas lúdicas. 

Oi, Sandra! Obrigada por compartilhar sua experiência memorável! Achei interessante você identificar os Ps na atividade realizada pela sua professora! Será que esses Ps também estavam presentes na sua experiência como aprendiz? Por exemplo, P de projetos: houve espaço para você criar algo pessoalmente relevante, para você expressar a sua autoria? Ou o P de Paixão: oportunidade para você trabalhar com algo do seu interesse?

warning Reportar conteúdo