Dicas de preparação

Dica - Que tal escolher temas específicos?

Durante a atividade o professor/facilitador poderá distribuir temas que gostaria de trabalhar (Fake News, sustentabilidade, cidade inteligente, ou alguma temática que esteja conectada com a sua comunidade) e propor como um desafio para que os personagens possam resolver ou trabalhar no contexto da narrativa.

Como avaliar?

Há diferentes caminhos, deixamos aqui algumas possibilidades que já testamos:

  • Engajamento dos participantes na atividade;
  • Diversidade de ideias criadas;
  • Reflexões durante e após o compartilhamento das criações, por meio de fichas de sugestões, post-its e também o desenvolvimento das narrativas ao longo das atividades.

Dica - Contexto da criação dessa atividade

Essa atividade surge do desejo de impulsionar a escrita criativa, motivando as crianças, jovens e adultos a serem participantes ativos das suas produções combatendo o bloqueio criativo por meio da criação de personagens com intuito de introduzi-los em uma narrativa envolvente, elaborada em pares, experimentando assim, a livre expressão de ideias para a solução de um problema de forma lúdica com muita criatividade e imaginação.

Há três elementos que fazem parte do contexto de inspiração e criação dessa proposta.

  • Vivencia como Fellow 2019 do desafio de Aprendizagem criativa da RBAC.
  • Atividades realizadas na Duck Tape Network - Rede Mão na Massa; http://redemaonamassa.org/
  • A inspiração dessa atividade partiu de histórias inventadas por escritores mirins, estudantes do ensino fundmental I e II matriculados nas escolas da Rede Municipal da Educação de São Luís - MA que fazem atendimento educacional especializado no contraturno escolar no Núcleo de Enriquecimento para Estudantes com Caracteríticas de Altas habilidades/Superdotação. Onde as historias são compartilhadas com outros estudantes;

Dica - Sugestão para organização do espaço

Podemos realizar essa proposta em diferentes espaços disponíveis na escola. Desde a fala de aula comum, o pátio ou até espaços específicos como sala de tecnologia ou maker e biblioteca.

O importante é transformar o espaço para que ele possa acolher os alunos, possibilitar que possam interagir com a ideias, os materiais e os demais colegas.  Isso pode ser feito por exemplo, deixando as mesas juntas, separando espaços para que os alunos/participantes possam ir até os materiais livremente. 

Uma sugestão é separar os espaços como estúdios ou estações. Como no exemplo abaixo.

O espaço será organizado em três estúdios:

Estúdio 1 - “Asas à imaginação”, onde o participante irá caracterizar e prototipar seu personagem por meio da livre exploração de materiais diversos disponíveis. Que pode ser configurada de acordo com o número de participantes;

Estúdio 2- “Nossa história”, momento para a inclusão dos personagens em uma narrativa elaborada por um grupo de participantes baseado em folha guia;

Estúdio 3-“Quem conta aumenta um ponto”, espaço para os participantes socializarem suas narrativas de forma criativa, possibilitando momentos de compartilhamento e confraternização. A configuração se dará em um ambiente aconchegante, especialmente preparado para acolher os participantes que poderão compartilhar suas criações com outros participantes.